Authors:

Nina Velasco Cruz, Universidade Federal de Pernambuco (Brazil)/Université Sorbonne Nouvelle Paris 3 (France).

Abstract:

Parto da percepção de que há uma “vontade de movimento” generalizada nas imagens fotográficas (gifs, boomerangs e vídeos de curtíssima duração são o sintoma mais visível desse fenômeno), assim como uma progressiva estaticidade das imagens em movimento. Esse fenômeno pode ser investigado a partir do uso recorrente e atualizado da prática do Tableau Vivant na fotografia e no cinema contemporâneos, assim como nas práticas híbridas da videoarte. A questão que levanto deriva da percepção desse fenômeno, articulado ao lugar do “gesto” na cultura contemporânea. Se partirmos do pressuposto de que a mecanização progressiva da modernidade resultou no sentimento da perda do gesto, de que maneira a imagem em movimento pode vir a restituí-lo, como nos sugere Agamben? E como as atuais imagens híbridas contemporâneas, no caso aqui o trabalho Faz que Vai (2015), de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, reatualizam essa questão?

Share This Story, Choose Your Platform!

Back to presentations